Consórcio e Governo de SP discutem novas tecnologias para resíduos sólidos

0
136

Uma das demandas que motivou a criação do Consórcio Intermunicipal Grande ABC, a destinação dos resíduos sólidos urbanos na região integrou a pauta da assembleia mensal dos prefeitos.

A reunião contou com apresentação sobre ações de regionalização e novas tecnologias desenvolvidas pela Secretaria Estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente para essa área.

José Valverde, assessor de Resíduos Sólidos da secretaria, afirmou que o Grande ABC está bem posicionado quanto à elaboração de diretrizes sobre o assunto e citou o Plano Regional de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Grande ABC, elaborado pelo Consórcio ABC em 2016.

O encontro também marcou o início do diálogo entre a entidade regional e o Governo do Estado para discussões técnicas sobre gestão e destinação dos resíduos sólidos nas sete cidades.

Para o vice-presidente do Consórcio ABC e prefeito de Ribeirão Pires, Adler Teixeira-Kiko, o governo estadual mostrou disposição em ajudar os municípios que se organizam em consórcios para uma solução definitiva para a destinação do lixo.

 

 

O presidente da entidade, Paulo Serra, também defendeu que a discussão deve ser regionalizada, dentro dos critérios para se formatar o modelo novo é fundamental que existam os consórcios.

 

Novas tecnologias para alertas de enchentes

 

Os prefeitos do Grande ABC aprovaram, em Assembleia Geral realizada no Consórcio Intermunicipal Grande ABC nesta terça-feira (14/5/19), a implantação de novas tecnologias para alertas de enchentes e alagamentos na região.

Participaram da reunião o presidente da entidade regional e prefeito de Santo André, Paulo Serra, além dos prefeitos de São Bernardo, Orlando Morando, de São Caetano, José Auricchio Júnior, de Diadema, Lauro Michels, de Ribeirão Pires, Adler Teixeira – Kiko, e a vice-prefeita de Rio Grande da Serra, Marilza de Oliveira.

No encontro, os chefes dos Executivos municipais aprovaram a assinatura de acordo de cooperação técnica com o Instituto Mauá de Tecnologia, que tem sede em São Caetano, para utilização de recursos provenientes da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) no desenvolvimento de equipamentos que fazem a medição dos níveis dos rios e córregos da região e que foram desenvolvidos por alunos da faculdade.

Como projeto piloto, o Consórcio ABC deverá fazer uso, gratuitamente, de cinco desses aparelhos no córrego dos Meninos, que na região corta São Bernardo, Santo André e São Caetano.

Caso seja constatada eficiência do sistema e haja captação de verba junto ao programa estadual, a entidade regional poderá colaborar financeiramente para produção de mais equipamentos, que deverão ser disponibilizados para as prefeituras da região e ao Centro de Gerenciamento de Emergências ABC (CGE ABC), que é mantido pelo órgão que representa as sete cidades.

Alerta ABC

Os prefeitos também aprovaram que seja feito trabalho para otimizar o sistema de envio de alertas meteorológicos. Até dezembro isso era feito pelo aplicativo Alerta ABC, que hoje está fora de operação por questões contratuais.

No momento, o setor de Tecnologia da Informação (TI) do Consórcio ABC está analisando a utilidade, funcionalidade e possibilidade de manutenção com recursos próprios do aplicativo atual.

Ao mesmo tempo, as áreas de Comunicação e Programas e Projetos da entidade regional estão trabalhando para desenvolver novos sistemas de alertas meteorológicos.

Os dados climatológicos continuam a ser enviados às Defesas Civis e técnicos do Consórcio ABC pela empresa Squitter, contratada pelo Consórcio ABC para gestão do CGE ABC.

Já está sendo trabalhada a utilização e divulgação desses dados por mídias sociais, como Instagram, Twitter e Facebook.

Na próxima quinta-feira (16/5/19), técnicos da entidade regional se reúnem com representantes da Squitter para discutir como será feita a operacionalidade desse novo sistema de alertas.

“O objetivo é manter o serviço com recursos próprios e, deste modo, a população continuar sendo informada sobre o clima da região. Teremos agora um período de estiagem, e é justamente nesta época que temos que criar ferramentas de prevenção, para, quando chegar no fim do ano, termos meios para amenizar os impactos das fortes chuvas de verão nas sete cidades”, afirmou Paulo Serra.

 

Foto: Helber Aggio/Divulgação Consorcio

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA