Prefeituras se mobilizam para socorrer vítimas dos temporais

0
212

Desde que foi surpreendido pelas fortes chuvas que atingiram a região entre a noite de domingo (10/03/19) e a madrugada de segunda (11/03/19), as Prefeituras têm se mobilizado para minimizar os prejuízos das vítimas das enchentes.

Acompanhe as medidas de cada cidade:

 

Morando vistoria bairros afetados

 

A Prefeitura de São Bernardo despendeu nesta terça-feira (12/03/19) mais um grande efetivo de profissionais que trabalharam para a recuperação da cidade após a forte chuva do último domingo (10/03).

Depois de decretar estado de calamidade pública, na tarde de ontem (11/03), a Administração segue mobilizada com um intenso plano de ação para realizar os atendimentos aos moradores atingidos.

O município, por meio da Secretaria de Ação Social (SAS), fez cerca de 400 atendimentos  na Subprefeitura do Rudge Ramos, onde está concentrada toda assistência à população atingida pela enchente.

Entre as ações empreendidas estão isenção do IPTU, de vale-refeição e vale-transporte gratuito, atendimento social, auxílio-aluguel, bem como acordo junto à Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) para uso gratuito de água fornecida pela concessionária por 30 dias, como forma de colaborar na limpeza de casas e do entorno, entre outras medidas.

Também foi feita a doação de 3.000 itens, entre vestuário, alimentos e produtos de limpeza e de higiene pessoal.

O prefeito Orlando Morando iniciou, desde a manhã de hoje (12/03), uma série de vistorias nos bairros mais atingidos pelas chuvas de domingo.

Entre os locais visitados pelo chefe do Executivo está um escorregamento de terra na Estrada Eiji Kikuti, no Conjunto Três Marias.

Foi informado que não há abalos estruturais nos edifícios, em vistoria confirmada pela Defesa Civil.

A Rua da Bica, na Vila São Pedro, outro ponto afetado, foi vistoriado pelo chefe do Executivo.

Esta via teve grande deslocamento de terra e de material, sem vítimas fatais.

Até o momento, 20 imóveis foram interditados. “Estamos fazendo o possível para deixar este local limpo, contamos com grande quantidade de funcionários da Secretaria de Serviços Urbanos, e com o apoio da Defesa Civil, que tem feito o possível para levar mais segurança aos moradores. Estamos trabalhando para buscar recursos junto ao Governo Federal para fazer um muro de contenção para evitar futuros deslizamentos”, afirmou o prefeito.

Em caráter preventivo, a Defesa Civil interditou outros 90 imóveis nos seguintes bairros: Demarchi, Vila Esperança, Jesus de Nazareth, Areião, Jardim Santo Inácio, Vila São José e Ferrazópolis, Taboão, Jardim Jussara, Jardim Telma, Golden Park, Pedreira, Grotão, Nova Baeta e Batistini.

Os moradores foram encaminhados para atendimento pela SAS na subprefeitura do Rudge Ramos. 

Paralelamente, cerca de 70 funcionários diretos da Administração e mais de 180 indiretos atuam em um grande trabalho de limpeza da cidade, com a  lavagem de ruas e bocas de lobo e todos os demais serviços necessários, até o final desta semana.

A cidade tem recebido apoio da Defesa Civil do Estado e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

ELEVATÓRIA DA VILA HELENA – O prefeito Orlando Morando também vistoriou a Elevatória da Vila Helena, que compõe um dos seis equipamentos de combate às enchentes localizadas nos arredores da Vila Vivaldi.

Este equipamento foi acometido por uma inundação na cabine de força, teve os painéis elétricos queimados, impossibilitando o funcionamento das bombas.

Foram instaladas duas novas bombas, com capacidade para 1.000 metros cúbicos por hora, no local.

Ao mesmo tempo as bombas originais foram religadas, por meio de geradores externos, depois de saírem da submersão.

As demais estruturas apresentaram condições adequadas de funcionamento, porém, não foram suficientes para comportar o volume atípico e inesperado de água estimado em 177 mm pela Defesa Civil do Estado.

Além desta elevatória, a cidade de São Bernardo dispõe de 11 piscinões, sendo 10 do Governo do Estado e um do município, além de mais cinco estações elevatórias.

As estruturas sob responsabilidade da administração são: o piscinão Tanque das Mulatas, com capacidade para armazenar 11.000 m³ de água, a estação elevatória da Rio Claro (37.000 m³), estação elevatória da Vivaldi (28,500 m³), estação da Vila Helena (4.000 m³), estação da Nelson Patrizzi (850 m³), estação da Ipiranga (5.500 m³) e estação da Jacquey (6.200 m³).

 

Fotos: Gabriel Inamine/PMSBC

 

Mauá dá isenção de IPTU

Moradores afetados pelas fortes chuvas devem receber a isenção total da cobrança do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) para 2019, além da suspensão das tarifas de água e esgoto, e da taxa do lixo no mês seguinte aos incidentes de desabamentos e enchentes.

A proposta foi encaminhada pelo prefeito Atila Jacomussi para Câmara dos Vereadores, que por sua vez, deu aval à matéria nesta terça-feira (12/03/19), em primeira votação.

Segundo a proposta, as medidas se devem em razão dos prejuízos financeiros e estruturais às famílias que sofreram perdas de materiais e residências em decorrência das chuvas.

De acordo com o Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais), Mauá recebeu 168,1 milímetros de água entre as 15h30 de domingo (10) e 3h30 de segunda-feira (11), o que ocasionou transtornos na cidade.

A proposta foi assinada por Atila horas antes da sessão no Parlamento e a expectativa do governo é da aprovação definitiva pelos parlamentares na próxima semana. “Um prefeito precisa ter coração voltado ao povo. Por isso, não seria justo cobrar as tarifas de água e esgoto, além da taxa do lixo, porque ambos se baseiam no consumo de água. E os moradores precisam limpar suas casas devido à forte chuva”, pontuou.

Um dos bairros mais castigados foi o Capuava, que sofreu com fortes enchentes no início da semana.

A Prefeitura de Mauá já realiza trabalhos de limpeza e retirada de entulhos das vias.

Os moradores atingidos pelos alagamentos também receberam doações de cestas básicas, colchões, kit higiene e panetone, por meio de cadastros promovidos pela Secretaria de Promoção Social, e colchões cedidos pela Defesa Civil do Estado de São Paulo.

Mesmo com as fortes chuvas no início desta semana, Mauá não registrou vítimas fatais. Para Atila, o cenário se deve a uma política de prevenção criada a partir do Comitê de Crise, uma força-tarefa que une a Defesa Civil de Mauá, GCM (Guarda Civil Municipal), secretarias de Promoção Social, Serviços Urbanos, Habitação, Saúde e Educação, além do suporte da Defesa Civil estadual e do Corpo de Bombeiros.

O governo também conta com as 23 UBSs (Unidades Básicas de Saúde) para coletas de doações a famílias atingidas pelas chuvas, como alimentos, cobertores, produtos de limpeza como vassoura, rodo, pá de lixo, baldes, saco de lixo de dez litros, sabão de pedra e em pó, cândida e desinfetante.

Em agenda junto ao Consórcio Intermunicipal Grande ABC, Atila também levará ao governador João Doria, na manhã desta quarta-feira (13), demandas como a necessidade de limpeza dos piscinões. Outra proposta do Paço é a retomada das obras para instalação de aduelas, em parte sobre a via férrea da Linha 10-Turquesa (Rio Grande da Serra-Brás) da CTPM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), a fim de aumentar a capacidade de vazão do Piscinão do Paço ao Rio Tamanduateí.

Para Atila, as intervenções darão fim aos transbordamentos do Piscinão do Paço e reduzirão os casos de alagamentos nos bairros Capuava e Vila Santa Cecília. “A população dessa região sofre há anos com o abandono do Poder Público. O que precisamos é do apoio do Estado para fazer essas obras e mudar essa página de medo a cada chuva de verão aos moradores desses bairros”, completou o prefeito.

Foto: Caio Arruda/PMM

 

Diadema distribui cestas

 

A Prefeitura de Diadema começou entregar na tarde de terça (12/3/19) cestas de alimentos para as 85 famílias afetadas pelas chuvas que caíram no último domingo na cidade.

Os atendidos são moradores de três conjuntos habitacionais, Mazzaferro 1 (19 famílias), Mazzaferro 2  (14 famílias)e Núcleo Naval (52 famílias), que tiveram suas casas invadidas pelas águas e que acabaram tendo perdas materiais. Até esta quarta todas as cestas estrão entregues.

As cestas vieram do Banco Municipal de Alimento e de doações do Trote Solidário, realizado por alunos da Fundação Florestan Fernandes no último sábado (9/3), e da OAB Diadema.

Composta por dez itens – arroz, feijão, óleo, sal, farinha de trigo, macarrão, leite, açúcar, barras de cereais e molho de tomate – cada família recebe cerca de 20 quilos de comestíveis. No total,  2.125 quilos de víveres serão distribuídos.

“A cesta vai ajudar muito. Moro com mais sete pessoas e, com a água que invadiu a minha casa, eu perdi comida, eletrodomésticos e móveis. Agora, vou esperar receber para fazer a compra do mês”, conta a moradora do Conjunto Habitacional Mazzaferro 1, Lúcia Helena da Silva, que é deficiente auditiva e vive do salário mínimo que recebe do Benefício Assistencial de Prestação Continuada, dinheiro oriundo do governo federal.

As águas das chuvas invadiram os apartamentos que ficam no térreo dos três conjuntos habitacionais. Quem também sofreu com elas foi a aposentada Adalgisa Rodrigues de Oliveira, moradora Mazzaferro 1, e que afirmou que os alimentos vieram em boa hora. “Eu perdi quase tudo dentro de casa. Como só moramos eu e minha filha, essa cesta vai nos garantir comida por pelo menos uns 15 dias”, disse. Além de alimentos, os moradores dos conjuntos habitacionais receberam, ainda, colchões e cobertores cedidos pela Secretaria de Habitação e Desenvolvimento Urbano.

As chuvas do último domingo em Diadema atingiram 250 famílias, sendo que 120 delas tiveram consequências mais graves no que diz respeito a perda de bens materiais.

Entretanto, nenhuma família ficou desabrigada, ou foi encaminhada para abrigo ou para auxílio aluguel.

Foto: Mauro Pedroso/PMD

 

Consórcio arrecada 770 mil litros de água mineral

 

Em menos de 24 horas, o Consórcio Intermunicipal Grande ABC reuniu 1.335 garrafas de água mineral, aproximadamente 770 mil litros, que serão divididas entre os sete municípios da região.

A entidade tem recebido, desde segunda-feira (11), doações para as vítimas das chuvas em Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

Representando o presidente do Consórcio Intermunicipal Grande ABC e prefeito de Santo André, Paulo Serra, o Secretário Executivo da entidade, Edgard Brandão, e o Diretor Jurídico, Eduardo Moura, recepcionaram as primeiras doações que chegaram à sede da entidade regional.

A partir de quarta-feira (13), a água começa a ser distribuída aos municípios.

A cada dois dias, o Consórcio receberá representantes das prefeituras para distribuição dos donativos.

Além da água, foram recebidos mantimentos, materiais de limpeza e roupas para adultos e crianças.

O Consórcio conta com estrutura física para receber grandes quantidades de doações.

 

Foto: Divulgação Consórcio

 

Ribeirão Pires atua no resgate

 

Equipes de diferentes setores da Prefeitura de Ribeirão Pires atuam desde a noite deste domingo, dia 10, no atendimento às ocorrências registradas no município devido às fortes chuvas.

Em poucas horas, o volume pluviométrico atingiu a marca de 172 mm – o que era esperado para todo o mês.

A Defesa Civil Municipal registrou, da noite de domingo até o final desta terça-feira, 92 ocorrências – grande parte deslizamentos de terra (58 casos).

Também foram registradas quedas de árvore (13), pontos de alagamento (5) e desabamentos (16).

A Prefeitura reuniu equipe técnica de trabalho para avaliar e atender todas as ocorrências registradas e reforçar as ações de alerta aos moradores das áreas de risco.

Interdições e suporte:

Bairro São Caetaninho (onde houve deslizamento de terra com vítimas) – Nove imóveis – 22 pessoas. Famílias estão sendo cadastradas no programa de auxílio moradia e optaram por permanecer em casas no bairro.

Jardim Mirante – Quatro imóveis interditados – 15 pessoas. Famílias estão sendo cadastradas no programa de auxílio moradia e abrigadas em casa de amigos ou familiares.

Todas as famílias removidas de suas residências estão recebendo o suporte da Prefeitura e do Fundo Social de Ribeirão Pires – alimentação, kits de higiene, entre outros itens.

Na Avenida Rotary, seis imóveis foram interditados – as famílias foram encaminhadas a casas de familiares e conhecidos por medida de precaução enquanto persistir a chuva.

Ação nas ocorrências – A Prefeitura mobilizou equipes da Defesa Civil Municipal, Guarda Civil Municipal, Assistência Social, Serviços Urbanos (desobstrução de vias, limpeza e remoção de árvores que caíram), Transportes e Trânsito (segurança no sistema viário), Habitação e Meio Ambiente (atualização do mapeamento das áreas de risco e reforço no alerta aos moradores).

Deslizamento com vítimas – O caso mais grave de deslizamento foi registrado no bairro São Caetaninho, na Rua Alexandrina da Silva Aguiar.

Deslizamento de terra atingiu imóvel em que estavam seis pessoas.

O caso ocorreu por volta da meia-noite de segunda-feira, dia 11. Seis pessoas estavam na casa atingida. Duas pessoas sobreviveram e foram encaminhadas ao Hospital Nardini, em Mauá (uma mulher de 52 anos e uma menina de 9).

Quatro vítimas fatais da ocorrência foram localizadas e retiradas do local entre a madrugada e a manhã da segunda-feira (três homens de 22, 32 e 33 anos; e uma mulher de 35 anos).

Vítimas resgatadas com vida*:

Noeme Lopes Fernandes – 52 anos (mãe de Renata, Rodrigo e Carlos);

Gabrielli Fernandes Cordeiro – 9 anos (filha de Renata);

As duas primeiras vítimas fatais localizadas*:

Carlos Eduardo Fernandes – 22 anos (aniversário dele foi 10/03) (irmão de Rodrigo e Renata);

Rodrigo Fernandes – 32 anos (irmão de Carlos e Renata);

As últimas duas vítimas fatais localizadas*:

Anderson José Pimenta – 33 anos;

Renata Revelle Fernandes Nunes – 35 anos (mãe de Gabrielli e filha de Noeme).

*Informações oficiais da Polícia Civil de Ribeirão Pires.

 

A ocorrência foi atendida pelo Corpo de Bombeiros e Defesa Civil Municipal, com suporte e acompanhamento da Defesa Civil do Estado e do Instituto de Geologia do Estado de São Paulo.

O imóvel atingido pelo deslizamento era uma construção irregular. Em 2017, a Prefeitura realizou notificação à famílias que residiam em casas situadas em um dos lados da Rua Alexandrina da Silva Aguiar. Nessa ação, o imóvel atingido nessa madrugada não existia – sua construção foi posterior.

Medidas preventivas – A Prefeitura realiza permanentemente intervenções estruturais na cidade para prevenir deslizamento de terra, queda de árvores, entre outras ocorrências. Por exemplo, a Secretaria de Serviços Urbanos da Prefeitura deu início, nesse ano, à construção de nova galeria pluvial na Avenida Kaethe Richers.

Nos bairros Barro Branco e Santa Luzia foram realizados nesse ano serviço de limpeza de córregos situados na Rua Pedro Ripoli e na Pereira Barreto, respectivamente. Galerias de captação de águas pluviais também receberam manutenção, entre as quais a situada na Rua Ângelo Scomparim, no bairro Santana.

Em Ouro Fino, a equipe de manutenção da Secretaria de Desenvolvimento Regional promoveu os serviços de limpeza de valetas de água pluvial, construção e desobstrução de galerias nas Ruas Guaiçara, Casemiro Orosco, Marley, Bragança, Nilópolis e Passo Fundo, nas Avenidas Vereador Rubens Maziero e Flórida, e Estrada do Simeão.

Em novembro de 2018, a Defesa Civil Municipal, com o apoio da Secretaria de Transportes e Trânsito e do Corpo de Bombeiros, realizou a limpeza e desobstrução da galeria pluvial localizada na Rua Euclides da Cunha, na região central da cidade.

A Rua Rússia recebeu a construção de novas caixas de captação de águas de chuva. O serviço de limpeza, desobstrução e manutenção de córregos e galerias atendeu a Rua Marley, córrego da Estrada da Cooperativa, galeria da Rua Aspásia e boca de lobo na Rua Rio Grande da Serra, também em novembro do ano passado.

 

 

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA