Em clima tenso, Câmara de São Caetano rejeita impeachment de Auricchio

0
97

A Câmara de São Caetano rejeitou na tarde desta terça-feira pedido de impeachment do prefeito José Auricchio Júnior (PSDB) protocolado pelo MBL (Movimento Brasil Livre).

O prefeito e o vice Beto Vidoski são acusados de fraudar o processo eleitoral em 2016 ao receber doações irregulares.

Em uma delas, a aposentada Ana Maria Comparini, residente em Jundiaí, teria doado R$ 293 mil reais.

Ela não reconhece a doação, que é superior inclusive ao valor da residência.

Quinze dos dezenove vereadores votaram a favor do governo e quatro foram contra.

Somente Ubiratan Figueiredo e César Oliva (PR), Jander Lira e Chico Bento (ambos do PP)  foram solidários ao pedido do MBL.

O resultado era previsível, já que recentemente a solicitação do PSol havia sido rejeitada.

Os coordenadores do MBL notaram movimentação estranha de pessoas da base aliada lotando a Câmara.

O coordenador do MBL São Caetano, Pedro Umbelino, sofreu ameaça verbal de cerca de 30 indivíduos que estavam nas dependências e foi impedido de deixar o local por vias normais.

Ficou escondido no gabinete de um vereador.

Na manhã desta quarta-feira (08/08/18), Pedro Umbelino esteve na Delegacia-Sede da avenida Goiás, no centro de São Caetano, para registrar o Boletim de Ocorrência.

Ele levou dois requerimentos assinados pela GCM (Guarda Civil Municipal) sobre o que aconteceu no Legislativo.

O coordenador do MBL citou também que teve a sua liberdade de expressão cerceada na rede social.

 

NOTA OFICIAL*

O MBL do Grande ABC, através do núcleo do MBL São Caetano do Sul, repudia as agressões verbais, ameaçadoras e injuriosas sofridas ontem por membros do movimento que compareceram à Câmara Municipal para acompanhar a sessão de aceitação do pedido de impeachment. Agressões cometidas por um grupo de aproximadamente 30 pessoas que foram até a câmara com este fim intimidador.
É sabido que o MBL – Movimento Brasil Livre de São Caetano do Sul, devido a graves acusações que recaem sobre o Prefeito Auricchio Jr, tais como: falsidade ideológica, organização criminosa, caixa 2, cerca de 30 anos de prisão sugeridos pelo MP, encaminhado através da Procuradoria Eleitoral, protocolou o pedido de impeachment contra o prefeito.
O Movimento Brasil Livre, sempre de forma pacífica, corajosa se posiciona e luta por seus ideais, que visam tornar o país cada vez mais justo, livre e sem corrupção.
Ninguém pode ser calado por meios obscuros, sob coação, agressões ou ameaças em seu pleno exercício democrático de manifestação e livre pensamento. O Movimento não irá se intimidar e continuará exercendo de forma republicana e honrosa a defesa da moralidade pública.
Resta saber a mando de quem e quais interesses estão por trás deste ato intimidatório. Todos têm o direito de se conflitar nas ideias, de se expressar e tomar partido, mas ninguém tem o direito de usar da força ou ameaças vazias para quebrar as forças democráticas que pelos meios ordeiros se manifestam em prol de uma São Caetano sem corrupção.
Vergonha na história política da cidade.

MBL – Movimento Brasil Livre São Caetano do Sul

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA