Dória define BRT como novo modal para o transporte no ABC

0
147
Governador do Estado de São Paulo, João Doria, participa de coletiva de imprensa sobre anúncio do BRT. Data: 03/07/2019. Local: São Paulo. Foto: Governo do Estado de São Paulo

O governo de São Paulo  acabou com o mistério sobre qual modal será implantado no ABC.

O governador João Doria, ao lado do  Vice-Governador e Secretário de Governo, Rodrigo Garcia; do Secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy; do secretário de Finanças, Henrique Meirelles e os prefeitos Orlando Morando, de São Bernardo; Paulo Serra, de Santo André; e Jose Auricchio Jr, de São Caetano; anunciou nesta quarta-feira (3/7/19), no Palácio dos Bandeirantes, a solução de mobilidade urbana para a população da região.

 

 

Para começar não existirá mais a Linha 18-Bronze, que utilizaria o sistema de monotrilho, já que nem a empresa com a qual foi firmado o contrato existe mais.

O vice-governador e secretário de Governo, Rodrigo Garcia, espera um acordo amigável com a empresa:

 

 

Além de ser implementado um BRT na região, a Linha 10-Turquesa, da CPTM, se tornará um metrô de superfície e terá início a contratação do projeto da Linha 20-Rosa, do Metrô, que será alimentada com a demanda do BRT e demais modais da região.

O secretário Alexandre Baldy  explicou que foi atualizado os custos e seria inviável custear uma obra de R$ 6 bilhões. A solução foi substituir  por um transporte público eficiente e adequado para a sociedade, dez vezes mais barato, e que vai atender a demanda:

 

 

No dia 6 de agosto, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos apresentará os dados do projeto com todos os trâmites e cronogramas previstos.

O BRT do ABC sairá do Paço de São Bernardo  e levará os passageiros até a Estação Tamanduateí, na Linha 2-Verde, do Metrô, com 12 estações ao invés de 14.

O BRT pode ser implantado em 18 meses, a partir do início de sua construção, e tem capacidade para transportar até 340 mil passageiros por dia.

Sobre a tarifa, Orlando Morando acredita que o Estado aplique o mesmo valor da passagem da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos:

 

 

Será um sistema inteligente de transportes, com CCO (Centro de Controle Operacional) e diversas modalidades de serviços. Além das linhas tradicionais, com paradas, será possível operar serviços semiexpressos e expressos.

Os ônibus transitam em espaço totalmente separado das outras faixas de rolamento. 

A região do ABC também será beneficiada com os investimentos na Linha 10-Turquesa (Brás-Rio Grande da Serra), da CPTM.

Ela será adequada ao padrão do Metrô de qualidade.

A partir da próxima quarta-feira, haverá troca da frota para trens mais modernos.

Santo André irá, finalmente, reativar a estação Pirelli, fato comemorado pelo prefeito e presidente do Consórcio Intermunicipal Grande ABC, Paulo Serra:

 

 

Foi aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo a Lei de Diretrizes Orçamentárias, autorizando a realização da contratação dos projetos para a Linha 20-Rosa, do Metrô.

Ela interligará o bairro de Rudge Ramos, em São Bernardo, à Lapa.

NOTA DO CONSÓRCIO VEMABC

Em nota ao Diário do Transporte e Rádio ABC, o Consórcio VemABC disse que não foi comunicado da rescisão de contrato pelo Governo do Estado e, assim que for, vai seguir todos os trâmites burocráticos neste caso.
“A Concessionária VEM ABC não foi comunicada sobre descontinuidade ou rescisão unilateral do Contrato de Concessão Patrocinada No 011/2014. Caso seja comunicada, a mesma seguirá o rito contratual no que diz respeito a tal rescisão”.
Também em nota ao Diário do Transporte e Rádio ABC, o presidente da Abifer, associação que reúne as empresas que fabricam trens e componentes ferroviários, Vicente Abate, diz lamentar a troca de modal de monotrilho para BRT.
Segundo Abate, “o custo informado do BRT (R$ 680 milhões) e o prazo de entrega do sistema (18 meses) carecem de melhor avaliação”. O representante das indústria ferroviária ainda diz que o monotrilho pode ter vida útil três vezes maior que um ônibus e contesta alegação de que a tecnologia do monotrilho não é dominada pelo Brasil

 

 

Foto: Helber Aggio/Consórcio

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA