CEU Ana Maria é reaberto com cinco anos de atraso

0
399

A Prefeitura de Santo André entregou à população na manhã deste sábado (13/04/19) o novo CEU (Centro de Artes e Esportes Unificados) Ana Maria.

O espaço conta com biblioteca, telecentro, cineauditório e cineteatro, além de salas para realização de oficinas dos mais diversos temas.

Um Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) também foi abrigado no local para realizar atendimento às pessoas em vulnerabilidade social e que necessitem de acompanhamento.

Quadra poliesportiva, pista de skate e equipamentos de ginástica complementam a estrutura deste importante equipamento público.

O prefeito Paulo Serra destacou a importância de recuperar a capacidade econômica do município para a retomada desta obra. “Tenho certeza que este equipamento público representa uma grande mudança para a região e é mais um fruto que a nossa cidade colhe. Esse é um mês de aniversário histórico para a nossa cidade, pois no começo da gestão, em 2017, eram R$ 320 milhões negativos, a cidade com o nome sujo, desqualificada do ponto de vista financeiro. Hoje são mais de R$ 500 milhões em investimentos que se transformam em novos equipamentos públicos. Mudamos também o conceito de que equipamento público não pode ser bom, eles têm de ser muito bons. Novas intervenções virão para esta região e aos bairros vizinhos nos próximos meses”, destacou.

Histórico – Diversos problemas causaram a suspensão da obra, desde março de 2014.

O CEU Ana Maria teve um projeto concebido e elaborado pelo Ministério da Cultura, padronizado e disseminado pelo país inteiro.

Como foi elaborado no Distrito Federal, foram adotados padrões de distribuidora de energia elétrica daquela região.

O modelo não era compatível com as normas da Enel para execução em Santo André.

Também não havia no projeto instalações de combate a incêndio nos padrões exigidos no estado de São Paulo, o que levou à necessidade de reprogramar a obra junto à Caixa Econômica Federal.

A reprogramação demorou para ser aprovada devido à situação financeira em que Santo André se encontrava.

Outro fator que fez atrasar a entrega do equipamento, foi a desistência da empresa responsável pela execução da obra.

Em 2017, com as medidas de choque de gestão e reequilíbrio das contas públicas, a cidade recebeu uma nova classificação financeira, de E para C.

Anteriormente, com uma posição mais baixa, todos os projetos deveriam necessariamente passar pelo governo federal para que este fosse avalista e fiador dos projetos e obras.

Com a elevação do rating, a cidade passou a contar com maior capacidade de pagamento, o que eliminou a necessidade de a União ser fiadora das obras e destravou os investimentos com a Caixa.

A gestão do prefeito Paulo Serra retomou, a partir destes ajustes, as tratativas de liberação dos recursos, graças ao choque de gestão que reordenou as finanças do município.

A Caixa e o Ministério da Cultura liberaram recursos de R$ 1,6 milhão, com contrapartida de R$ 205 mil do município para a finalização da obra.

Todas as intervenções totalizaram 3,5 milhões em investimentos.

Fotos: Helber Aggio/PSA

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA