Motoristas e cobradores de São Paulo podem parar na quarta

0
507

Em assembleia realizada na tarde desta quinta-feira, 18 de maio de 2017, os motoristas e cobradores de ônibus da capital paulista decidiram decretar estado de greve.

Caso não haja acordo até terça-feira da semana que vem, na quarta-feira (24/05/12) de haver greve de ônibus em São Paulo, segundo o Sindmotoristas, sindicato da categoria.

O objetivo é impedir a saída dos coletivos das garagens desde as primeiras horas do dia.

De acordo com a entidade sindical, os trabalhadores não aceitaram a nova proposta de reajuste por parte das empresas de ônibus.

O SPUrbanuss, que reúne as viações do subsistema estrutural (linhas maiores), ofereceu reajuste de 3,27% nos salários em parcela única e no ticket-refeição.

A proposta anterior era reajuste de 3% nos salários, dividido em duas parcelas de 1,5%, sem proposta de aumento no valor do ticket.

O pagamento de PLR – Participação nos Lucros e Resultados não foi cogitado nas duas propostas dos empresários.

Os trabalhadores pedem 5% de reajuste real nos salários (além da reposição do índice inflacionário), com o mesmo percentual sobre o vale-refeição.

O Sindmotoristas também quer pagamento de participação nos lucros e resultados.

Em nota, o SPUrbanuss afirmou que o índice segue a inflação acumulada pelo Dieese e que não há como pagar participação nos lucros por causa da situação financeira do sistema de transportes na cidade de São Paulo:

As empresas de transporte urbano de passageiros, por meio do SPUrbanuss – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo apresentaram proposta de reajuste salarial de 3,27%, índice apurado pelo DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, e o mesmo percentual de reajuste no tíquete refeição. Não há possibilidade de tratar de valor do PLR (Participação nos Lucros e Resultados), quando o próprio Sindicato dos Motoristas reconheceu, em carta aberta à população, que “a saúde financeira do transporte púbico está debilitada” e que “a Prefeitura deve às empresas do setor R$ 323 milhões”.

Nesta semana, o sindicato dos motoristas e cobradores ameaçou parar os terminais na terça-feira das 14h às 17h, mas após reunião com empresas de ônibus e Secretaria de Transportes, retomando as negociações, suspenderam o ato previsto.

Matéria publicada no Diário do Transporte. Adamo Bazani é jornalista especializado em Transportes e colaborador da Rádio ABC

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA